HIV altera densidade óssea em crianças infectadas | Firme Forte | Osteoporose

HIV altera densidade óssea em crianças infectadas

Uso prolongado e precoce de antirretroviral, assim como fatores demográficos, genéticos, hormonais e nutricionais têm influencia direta

Pesquisa realizada pela nutricionista Doutora em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina (UNIFESP/EPM)  Cecília Zanin Palchetti, constatou comprometimento ósseo em crianças infectadas pelo HIV.   Foram analisadas 35 crianças infectadas pelo HIV, (34 casos transmitidos da mãe para o filho e um de transfusão sanguínea), atendidos no CEADIPe (Centro de Atendimento da Disciplina de Infectologia Pediátrica) de idades entre 7 e 12 anos e ambos os sexos.

O estudo foi feito em dois momentos; no primeiro, apenas pacientes pré-púberes, com média de idade entre 9 e 10 anos e que foram reavaliados no segundo tempo, após período de dois anos meio. Os pacientes apresentaram ganho de massa óssea, mas de maneira insuficiente. Normalmente, essa população apresenta comprometimento de massa óssea na infância.

“A prática regular de atividade física pode minimizar as comorbidades relacionadas à doença e, ainda, a ingestão adequada de cálcio, encontrados em laticínios, como queijo, leite, iogurte e requeijão. Elas podem indicar proteção para acúmulo adequado de massa óssea”, sugere a nutricionista.

Uso precoce e prolongado de terapia antirretroviral, assim como os fatores demográficos, genéticos, hormonais e nutricionais, influenciam diretamente a massa óssea das crianças com HIV. Para análise da massa óssea, a densitometria óssea é o método preferencial em crianças devido a sua reprodutibilidade, velocidade, baixa exposição à radiação ionizante e maior base de dados comparados aos outros procedimentos.

“Diagnosticar, precocemente, alterações de massa óssea nos pacientes pediátricos infectados pelo HIV, além de identificar e corrigir os fatores nutricionais e laboratoriais devem ser feitos  para melhorar a qualidade de vida”, finaliza Cecilia.

Crédito da foto: Arquivo pessoal

Crédito da imagem de capa: ZAM690

 

Twitter

Dica Firme e Forte

ToolsCalculadora

Para previnir a osteoporose: consuma mais alimentos com cálcio e vitamina D, tome mais sol e faça mais exercícios com algum impacto. Não deixe de fazer os exames preventivos, incluindo a denistometria óssea.

Arquivos

Depoimentos [+] outros depoimentos

O dimensionamento do problema da osteoporose no Brasil é muito importante para que medidas de prevenção e tratamento eficazes sejam implementadas.

Partindo da premissa de ser um problema de saúde pública, uma vez que atinge cerca de 30% das mulheres após a menopausa, de acordo com os estudos epidemiológicos nacionais (SAPOS, SAPORI, VIGITEL), a população, médicos e outros profissionais de saúde, bem como políticos e organizações não governamentais, precisam unir forças para enfrentar e superar essa relevante questão de saúde.

Dr. Marcelo Pinheiro, Reumatologista da Unifesp e Chefe do Ambulatório de Osteoporose

21/09/2011

Lorem ipsum dolor sit amet

“A osteoporose é real e afeta a todos. É preciso mobilizar a todos e mostrar que embora difícil, é possível conviver com a doença, trabalhar e ter uma vida normal.”

Suely Roitman, Presidente da FENAPCO

Dica Firme e Forte

ToolsCalculadora

Para previnir a osteoporose: consuma mais alimentos com cálcio e vitamina D, tome mais sol e faça mais exercícios com algum impacto. Não deixe de fazer os exames preventivos, incluindo a denistometria óssea.

Teste de Osteoporose

ToolsTesteOsseo

São apenas 19 perguntas simples para você descobrir como está a saúde dos seus ossos.

Teste de Osteoporose