Estudos indicam que a plataforma vibratória pode auxiliar na prevenção da osteoporose | Firme Forte | Osteoporose

Estudos indicam que a plataforma vibratória pode auxiliar na prevenção da osteoporose

Desde que os astronautas começaram a usar o estímulo elétrico para preservar a saúde óssea quando estavam no espaço, muitos estudos apontam para o efeito da plataforma vibratória.

Esse tipo de intervenção foi criada por cientistas da NASA, a fim de minimizar o efeito negativo da ausência da gravidade sobre o osso dos astronautas que, quando retornavam à Terra, tinham maior chance de apresentar fraturas.

Mais recentemente, Madonna e outras celebridades também têm usado a plataforma vibratória para complementar o treino resistido e aeróbio.

“De modo geral, o estímulo mecânico, aquele decorrente da caminhada ou dos exercícios de impacto ou resistidos, é o melhor para o osso. No entanto, o estímulo elétrico ou vibratório também pode ser benéfico para o osso, especialmente para pacientes que não conseguem ou não podem realizar exercícios físicos, como aqueles com problemas cardíacos, pulmonares ou limitações articulares ou da coluna vertebral”, explica o Dr. Marcelo Pinheiro, da Unifesp/EPM.

A plataforma vibratória pode auxiliar na prevenção da perda óssea ou otimizar o ganho de densidade óssea, bem como estimular de forma benéfica as fibras musculares e melhorar o tônus muscular. No entanto, mais estudos controlados e em longo prazo precisam confirmar os estudos iniciais sobre essa nova modalidade de tratamento e prevenção.

Um estudo da Universidade de Leuven feito com mulheres que sofriam com osteoporose demonstrou que elas não somente obtiveram um ganho de 16% de força mas também um aumento de 1% de densidade óssea durante os seis meses em que treinaram com o equipamento. “A ação da gravidade cria um esforço compressivo no tecido ósseo. Essa compressão, quando em alta frequência, pode realmente provocar ganho de massa”, acrescenta Julio Serrão, coordenador do laboratório de biomecânica da USP, em São Paulo.

Vamos saber mais como funciona a máquina?

Para entender o funcionamento da plataforma giratória, é preciso recorrer a aulas de física. Na caixa da plataforma há motores. Ao serem acionados, eles provocam uma vibração. A plataforma sobe e desce, vai para a frente e para trás e de um lado para o outro – tudo isso numa velocidade entre 30 e 50 vezes por segundo! O vaivém é praticamente imperceptível, mas uma coisa é certa: a vibração provoca uma aceleração em todas as direções, o que exige que você faça esforço para manter o corpo em equilíbrio (por isso, o treinamento vem sendo chamado hoje em dia de acceleration training).

O que acontece no seu corpo – É a variação da velocidade que gera um desequilíbrio em quem está em cima do equipamento. A vibração que a placa emite causa um aumento da carga gravitacional. Ou seja: você tem a impressão de que a gravidade aumenta, mas, na verdade, a aceleração da plataforma soma-se à da gravidade e, com isso, há maior recrutamento dos músculos, fazendo com que mais fibras sejam utilizadas em resposta ao estímulo.

Diferentemente do que muita gente pensa, a plataforma vibratória não é uma ginástica para quem não gosta de fazer ginástica. Não tem essa de ficar paradinha esperando a máquina trepidar. De passivo, esse exercício não tem nada. Pelo contrário: você precisa fazer muita força e focar no músculo que está sendo trabalhado.

Em cima da plataforma, você pode fazer qualquer tipo de movimento, de agachamento a flexão de braços e abdominais – em pé, sentada ou até deitada. A combinação das contrações com a ginástica feita sobre o aparelho potencializa muito o exercício, produzindo resultados em menos tempo de treino.

Vale lembrar que se a musculatura for excessivamente estimulada, o organismo pode se proteger e inibir o estímulo ou mesmo fadigar, do mesmo jeito que acontece quando você exagera na carga ou no número de repetições durante uma sessão de musculação.

Treino econômico – Uma das vantagens mais sedutoras de fazer exercício na plataforma vibratória é a economia de tempo. Segundo especialistas, em meia hora você consegue trabalhar o corpo todo – o equivalente a uma hora de malhação tradicional – e detonar cerca de 400 calorias. E não adianta ficar mais tempo, pois cada grupo muscular pode receber, no máximo, seis minutos de estímulo. Se ultrapassar esse período, há o risco de causar fadiga. Já a frequência ideal é três vezes por semana – uma ótima opção para quem tem agenda cheia e pouco tempo disponível para malhar.

Mesmo quem está acostumada a malhar pode sentir dificuldade, já que o estímulo é outro. Por isso, o ideal é ter um professor para acompanhá-la. Porém, dá para fazer sozinha, desde que você tenha consciência corporal.

A escolha do melhor equipamento

Os modelos mais simples de plataforma vibratória, de uso caseiro, custam cerca de 3 mil reais. Os mais sofisticados chegam a 40 mil. Você deve checar com o fabricante os valores da amplitude de movimento (de 2 a 4 milímetros) e da frequência de estímulo (de 30 a 50 hertz), que são parâmetros importantes para montar o seu treinamento. Se o seu objetivo é fortalecer a musculatura, por exemplo, o aparelho deve ter força capaz de gerar, no mínimo, 3G (gravidade).

De qualquer forma, exija sempre o Manual de Instrução, que vai ajudá-la a mexer na máquina. Além disso, se você for utilizá-la sozinha em casa, prefira marcas que forneçam, junto com o manual, um encarte com fotos dos exercícios ou um DVD para você fazer corretamente os movimentos. Por fim, se o aparelho for barato demais, desconfie. Muitas vezes, as plataformas vendidas como caseiras custam metade do preço de um modelo tradicional – no entanto, também têm metade do tamanho e metade da potência, o que pode comprometer os resultados.

O melhor é escolher o produto de uma empresa que ofereça suporte caso ocorra algum problema com o equipamento.

Twitter

Dica Firme e Forte

ToolsCalculadora

Para previnir a osteoporose: consuma mais alimentos com cálcio e vitamina D, tome mais sol e faça mais exercícios com algum impacto. Não deixe de fazer os exames preventivos, incluindo a denistometria óssea.

Arquivos

Depoimentos [+] outros depoimentos

O dimensionamento do problema da osteoporose no Brasil é muito importante para que medidas de prevenção e tratamento eficazes sejam implementadas.

Partindo da premissa de ser um problema de saúde pública, uma vez que atinge cerca de 30% das mulheres após a menopausa, de acordo com os estudos epidemiológicos nacionais (SAPOS, SAPORI, VIGITEL), a população, médicos e outros profissionais de saúde, bem como políticos e organizações não governamentais, precisam unir forças para enfrentar e superar essa relevante questão de saúde.

Dr. Marcelo Pinheiro, Reumatologista da Unifesp e Chefe do Ambulatório de Osteoporose

21/09/2011

Lorem ipsum dolor sit amet

“A osteoporose é real e afeta a todos. É preciso mobilizar a todos e mostrar que embora difícil, é possível conviver com a doença, trabalhar e ter uma vida normal.”

Suely Roitman, Presidente da FENAPCO

Dica Firme e Forte

ToolsCalculadora

Para previnir a osteoporose: consuma mais alimentos com cálcio e vitamina D, tome mais sol e faça mais exercícios com algum impacto. Não deixe de fazer os exames preventivos, incluindo a denistometria óssea.

Teste de Osteoporose

ToolsTesteOsseo

São apenas 19 perguntas simples para você descobrir como está a saúde dos seus ossos.

Teste de Osteoporose