Casa de paciente com osteoporose deve ser adaptada para evitar fraturas

Quem tem osteoporose deve ter a casa adaptada para torná-la mais segura contra acidentes como as quedas que podem levar às fraturas, muitas vezes incapacitantes e, até mesmo, causar a morte. Por definição, “casa segura” quando se fala de osteoporose significa aquela que, ao entrarmos no seu interior, pudéssemos observar diversas características e detalhes que a tornam adequada também para os moradores da terceira idade que não tem osteoporose.

Vamos a algumas dicas para tornar uma casa mais segura:

- Evite obstáculos como fios, tapetes soltos e objetos nos trajetos da casa;

- Mantenha os ambientes iluminados com cortinas leves e mantenha lâmpadas acesas à noite;

- Use piso antiderrapante em escadas, banheiros e cozinhas;

- A altura confortável e segura dos móveis e armários evita a maioria dos acidentes.

No quarto

- Camas e cadeiras com altura suficiente para que, quando sentado, as nádegas fiquem mais altas que os joelhos;

- Cadeira para se sentar quando for colocar calças ou sapatos;

- Usar sapatos baixos e confortáveis no lugar dos chinelos;

- Usar maçanetas grandes, luz noturna na parede e cabide baixo.

Na sala

- Não sentar em poltronas e sofás que afundem demais ou que sejam baixos;

- Móveis com beiradas arredondadas, estantes bem fixas, TV e som com controle remoto e fios presos;

- Retirar tapetes soltos, fios dos abajures e porta-revistas.

Na cozinha

- Use bancada da pia e fogão da mesma altura;

- Evite carregar panelas pesadas;

- Deixe todos os obetos em locais de fácil acesso (nem muito alto, nem muito baixo).

No banheiro, é o principal local das quedas dentro do domicílio

- Use barra tipo corrimão no Box;

- Use piso antiderrapante;

- Faça uso de um banco, chuveiro móvel e sabonete líquido para tomar banho;

- Use o vaso sanitário elevado em 50 cm de altura para facilitar sentar e se levantar.

Casa segura, prevenção e tratamento adequado! A luta contra a osteoporose é nossa.

Torta de Beterraba

Soja e sardinha também se destacam na receita cheia de saúde

Tempo de preparo: 40 minutos
Tempo de cozimento: 30 minutos
Tempo total: 1 hora e 10 minutos

Ingredientes 
- 1 xícara (chá) de farinha de trigo

- 1/2 xícara (chá) de farinha de aveia

- 1 xícara (chá) de amido de milho

- 2 ovos

- 1 beterraba média com casca

- 1 tablete de caldo de carne

- 1 colher (sopa) cheia de queijo ralado

- 1 colher (sopa) rasa de fermento em pó

- 1 1/2 copo de leite integral ou desnatado

- 3 colheres (sopa) de azeite doce

- orégano a gosto

Recheio

- 1 xícara (chá) de soja cozida

- 2 latas de sardinha

- 1/2 cebola picada

- 1/2 pimentão picado

- 2 dentes de alho picados

- 4 tomates sem sementes picados

- coentro a gosto

- 1/2 tablete de caldo de carne

- 1 pitada de sal

- 1 colher (sopa) de azeite doce

Modo de Preparo

Massa: bata no liquidificador todos os ingredientes da massa. Em uma forma untada e polvilhada, derrame metade da massa. Espalhe o recheio e cubra-o com a outra metade da massa. Salpique o orégano por cima da massa e leve ao forno pré-aquecido por, aproximadamente, 30 minutos.

Recheio: cozinhe a soja em um litro de água. Escorra e lave com água, deixe secar. Em uma frigideira, leve a cebola para dourar no azeite doce, logo em seguida, acrescente o alho, o pimentão, os tomates, o caldo de carne e o sal, e deixe cozinhar. Adicione a soja cozida e a sardinha em lata sem o óleo. Cozinhe bem e apague o fogo. Reserve.

Rendimento: 12 pedaços

Análise calórica e nutricional por porção
Calorias: 184 kcal
Carboidratos: 19,5 g
Proteínas: 8,9 g
Gorduras: 7,9 g

Fonte: portal Minha Vida

 

 

Quanto mais colorido o prato, melhores benefícios a refeição trará à saúde. Os brancos e verdes contém cálcio. Confira!

Já ouviu falar que quanto mais colorido o prato, mais nutrientes tem a refeição? Isso é a mais pura verdade. Como estamos falando de prevenção à osteoporose, é bom saber que os alimentos brancos e verdes são os que mais contem cálcio. Descubra, abaixo, o significado das cores de cada alimento e aproveite melhor os nutrientes dessa aquarela gastronômica.

Branco

Alimentos: Arroz, leite, queijo, batata, banana, cogumelo e couve-flor.

Principais nutrientes: Cálcio e fósforo.

Benefícios à saúde: Fortalecem os ossos, prevenindo osteoporose, reforçam a saúde dentária e regulam os batimentos cardíacos.

Vermelho

Alimentos: Caqui, tomate, cereja, morango, melancia, framboesa e goiaba vermelha.

Principais nutrientes: Licopeno e antocianina.

Benefícios à saúde: Previnem o estresse, estimulam a circulação e protegem contra o câncer e o envelhecimento precoce.

Amarelo e laranja

Alimentos: Mamão, cenoura, manga, laranja, abóbora, pêssego e damasco.

Principais nutrientes: Betacaroteno e vitamina B3.

Benefícios à saúde: Protegem o coração, fortalecem o cabelo, melhoram a visão e previnem o câncer de mama.

Roxo

Alimentos: Uva, figo, ameixa, berinjela, beterraba e repolho roxo.

Principais nutrientes: Antocianina e ácido elágico.

Benefícios à saúde: Protegem o coração, aumentam a disposição, retardam o envelhecimento e combatem o câncer.

Verde

Alimentos: Ervas, folhas e pimentão.

Principais nutrientes: Cálcio, ferro, potássio, luteína, betacaroteno e vitaminas.

Benefícios à saúde: Protegem o coração, desintoxicam as células, inibem os radicais livres e têm efeito anticancerígeno, além de hidratar o cabelo e a pele.

Marrom

Alimentos: Cereais integrais e sementes oleaginosas, como nozes e castanhas.

Principais nutrientes: Fibras e vitaminas.

Benefícios à saúde: Controlam o colesterol e o diabetes, combatem a ansiedade e a depressão, regulam o intestino e previnem o câncer e doenças cardiovasculares.

Fonte: M de Mulher, editora Abril

IOF promove 1º Encontro Latino Americano de Osteoporose em São Paulo

A International Osteoporosis Foundation (IOF), juntamente com a ABrASSO – Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo*, realiza, de 24 a 27 de maio de 2012, em São Paulo, o 1st Latin America Osteoporosis Meeting.

O evento, considerado como o mais importante do continente sobre doenças ósseas, juntamente com o Bradoo, terá, em sua programação, a participação de renomados especialistas internacionais e regionais no campo da saúde óssea, com temas que incluem as últimas informações sobre o tratamento da osteoporose e os números atuais de particular relevância para a região.

Todos os trabalhos aceitos para apresentação no evento serão publicados no Archives of Osteoporosis. Aqueles que forem enviados em Inglês também serão publicados em um suplemento especial da Osteoporosis International.

Os cinco melhores trabalhos, feitos por pesquisadores com idade de até 40 anos, receberão o prêmio “IOF JOVENS PESQUISADORES” e serão contemplados com a quantia de US$ 1.000,00 cada um.

Todas as sessões plenárias e as sessões Meet-the-Expert serão realizadas em três línguas, sendo as sessões em inglês simultaneamente traduzidas para o espanhol e português.

Para realizar sua inscrição no 1st Latin America Osteoporosis Meeting e para mais informações sobre o evento, clique aqui.

*A ABrASSO é formada pela união de três sociedades médicas: Sociedade Brasileira de Densitometría Clínica – SBDens; Sociedade Brasileira de Osteoporose – SOBRAO; e Sociedade Brasileira para o Estudo do Metabolismo Ósseo e Mineral – SOBEMOM

Como prevenir fraturas e evitar complicações da osteoporose

Se você tem osteoporose, você pode fazer muito para reduzir da doença em sua vida. Saber como prevenir fraturas e curvatura espinhal pode ajudá-lo a viver mais confortavelmente e com segurança com esta doença.

Reduzindo o risco de fraturas

Os locais de fraturas mais comuns em pessoas com osteoporose são o punho, coluna e quadril. Essas fraturas são muitas vezes causadas ​​por acidentes e quedas. Todas as fraturas são dolorosas e podem trazer limitações impossibilitando que você leve uma vida normal. Mas as fraturas de quadril são muito graves. Elas requerem cirurgia e imobilização, e pode levar meses para você se recuperar. Dessa forma, para reduzir o risco de fraturas, alguns cuidados são necessários. Veja:

- Faça exercícios físicos regularmente. Tente caminhar, praticar natação, ou musculação;

- Coma alimentos que são ricos em cálcio, ou tome suplementos de cálcio (se indicados pelo seu médico);

- Torne a sua casa segura para evitar acidentes;

Fraturas de coluna - Sua coluna é composta de muitos ossos chamados vértebras. A osteoporose faz com que as vértebras em sua coluna tenham um risco maior de fratura. Como resultado, a parte superior das costas podem arquear para a frente, criando uma curvatura. Fraturas da coluna podem também provocar lesão nas costas e má postura.

Você pode perder alguns centímetros na altura. Sua parte inferior da coluna deve, então, ajustar para manter seu corpo equilibrado. Isso pode causar dor nas costas. Para impedir ou diminuir a estas alterações da coluna vertebral:

- Pratique uma boa postura;

- Use técnicas adequadas, se você precisa levantar objetos pesados;

- Faça exercícios para ajudar sua postura a ficar sempre correta;

- Deite de costas quando você tem dor;

- Pergunte ao seu médico sobre essas e outras maneiras para ajudar a sua coluna vertebral.

A prevenção contra a osteoporose começa na infância

A osteoporose, doença que enfraquece os ossos, não afeta apenas as mulheres idosas. Segundo o ortopedista Alberto Croci (entrevistado pelo portal M de Mulher), mulheres entre 20 e 40 anos também podem sofrer desse mal, porque é justamente nessa fase que se inicia um lento processo de perda de massa óssea. O grande perigo da doença precoce está num fato simples: ela é “silenciosa”.

“A osteoporose não dá sinais e isso dificulta o diagnóstico, o que pode resultar num tratamento tardio”, alerta Croci. Mulheres que têm casos de osteoporose na família devem ficar mais atentas e devem conversar com seu médico sobre o melhor momento para fazer uma avaliação da sua massa óssea, que é um exame chamado densitometria óssea.

É durante a infância e a adolescência que nós construímos os nossos ossos e a quantidade de massa óssea que nós atingimos ao final da adolescência é um fator de grande importância para a saúde óssea no resto da vida. Por isso, a prevenção da osteoporose começa já na infância, para homens e mulheres.

 Veja as maneiras de se prevenir e comece o quanto antes!

Consuma uma quantidade adequada de cálcio – A necessidade diária de cálcio depende da idade.

Para crianças e adolescentes, as necessidades diárias de cálcio devem ser conversadas com o pediatra.Para adultos, recomenda-se 1.000 mg por dia, o equivalente a quatro copos de 250 ml de leite de vaca. Quem não é fã da bebida pode trocá-la por iogurte ou queijos (uma fatia grossa equivale a um copo de leite). Vegetais de cor verde-escura também têm cálcio, mas lembre-se que o cálcio vegetal não é tão bem absorvido quanto o cálcio de origem animal. Além disso, a vitamina D (que a nossa pele produz quando recebe o sol) é fundamental para absorver o cálcio no intestino.

Pratique atividade física regularmente - As fraturas relacionadas à perda de massa óssea estão entre as principais causas de incapacidade permanente. Não deixe isso acontecer com você. Quem pratica atividade física regular pode reduzir o risco de osteoporose, já que alguns exercícios aumentam as massas óssea e muscular. Entre as atividades mais recomendadas são:

- Exercícios aeróbicos: caminhar e dançar.

- Exercícios de resistência: pesos livres, máquinas com peso e faixas elásticas.

- Exercícios de equilíbrio: tai chi e yoga.

- Pedalar: bicicletas comuns ou ergométricas.

-Tenha acompanhamento médico regularmente, mesmo que esteja tudo bem com você, para garantir a sua saúde óssea e prevenir a osteoporose.

A dieta que fortalece os ossos – Procure ter uma alimentaçao balanceada e equilibrada, sem pular refeições, contando com leite animal e derivados, legumes, folhas, frutas, cereais, leguminosas, carnes e bastante líquido. É importante lembrar que o leite animal e os derivados são as principais fontes de cálcio. Os alimentos vegetais mais ricos em cálcio podem perder parte dele quando são aquecidos. Além disso, o cálcio presente nos alimentos vegetais não é tão bem absorvido quando o cálcio dos alimentos animais.

Evite o excesso de sal, pois além de poder levar ao aumento da pressão arterial pode causar perda de cálcio pela urina e comprometer a saúde dos seus ossos.

Se você não gosta ou não pode tomar leite (por alergia ao leite ou por intolerância à lactose), converse com seu médico ou com o nutricionista para orientar uma alimentação que seja adequada em cálcio e garantir a saúde dos seus ossos. Pode ser necessário que você precise receber complementos para atingir sua necessidade diária de cálcio.

Veja abaixo uma tabela das principais fontes de cálcio.

Coma mais peixe - Entre as espécies ricas em cálcio, a sardinha é a melhor opção: oferece metade da necessidade diária em apenas quatro unidades (100 g), desde que consumida com a espinha. O badejo tem metade do cálcio da sardinha, mas também é um dos peixes mais ricos na substância.Veja algumas opções saudáveis:

Coloque feijão no prato - Uma concha e meia (160 g) de feijão rosinha oferece 10% do cálcio necessário (é a mesma quantidade do mineral encontrada em duas unidades de laranja-lima ou em uma colher e meia de requeijão).

Coma verduras e frutas – Entre as saladas, a de alfafa é a mais proveitosa, com mais de 500 mg de cálcio por 100 g do alimento. Acelga e agrião também são ótimas opções. Com relação às frutas, figo e ameixa são boas escolhas.

Hidroginástica ’2.0′ ajuda a evitar risco ligado à osteoporose

Um estudo recente de pesquisadores da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) revelou uma forma diferente de hidroginástica. Batizada de HidrOS, ela combina exercícios de força, resistência e equilíbrio, que mostraram bons resultados para prevenir danos ligados à osteoporose.

É sabido que prática da hidroginástica oferece baixo risco de lesões. Mas estudos sobre o impacto da hidroginástica convencional sobre a osteoporose são pouco conclusivos, além de não levarem em conta a incidência de quedas. Na osteoporose, ocorre a uma perda de cálcio dos ossos. Com isso, qualquer queda traz risco de fraturas graves – daí a importância de exercícios que fortaleçam o osso e melhorem o equilíbrio.

Na pesquisa da Unifesp, foram avaliadas 108 mulheres, sendo que 64 delas fizeram 6 meses de aulas de hidroginástica intensa específica para osteoporose, batizada de HidrOS, 3 vezes por semana, e as outras 44 mulheres fizeram parte do grupo controle que não praticou nenhuma atividade física regular durante o tempo da pesquisa. Todas as participantes receberam suplementação com cálcio e vitamina D.

A HidrOS é uma hidroginástica de alta intensidade. Consiste em movimentos “mais rápidos e mais intensos em menos tempo, só usando a resistência da água ao próprio corpo”, explica Linda Moreira Pfrimer, coordenadora do estudo. O segredo, diz ela, é pouca repetição e muita carga, ou seja, máxima velocidade de movimentos na água, o que fortalece ossos e músculos. Não houve mudança no grupo controle. Já o grupo que fez a HidrOS apresentou aumento na força do quadril, nos músculos da coluna, equilíbrio e flexibilidade.

A autora encontrou 45% menos quedas no grupo que fez exercícios em comparação com o grupo controle. “Idoso não precisa de exercício de repetição. Precisa de carga em tempos curtos, que gere força para melhorar o equilíbrio e fortalecer o osso”, diz Pfrimer.

Menopausa precoce eleva o risco de osteoporose e de fratura óssea

A menopausa precoce é aquela que acontece antes dos 40 anos de idade, seja ela natural ou decorrente de alguma doença ou de alguma intervenção médica, como, por exemplo, a retirada dos ovários. Mulheres com menopausa precoce apresentam sintomas semelhantes àqueles da menopausa que ocorre após os 40 anos, como ondas de calor, alterações emocionais, secura vaginal e diminuição no desejo sexual, só que esses sintomas costumam ser mais intensos.

A menopausa precoce também pode causar um enfraquecimento mais rápido dos ossos do que a menopausa mais tardia. Isso aumenta o risco das mulheres com menopausa precoce desenvolverem osteoporose e sofrer fraturas.

Pesquisadores da Unidade de Osteoporose Clínica da Universidade de Lund, na Suécia, estudaram esse tema. Eles recrutaram 390 mulheres em 1977 com idade de 48 anos e as acompanharam por mais de 34 anos, avaliando a saúde óssea. Em 2012, aos 77 anos de idade, 198 daquelas mulheres foram avaliadas.

Além de levarem em conta a idade, índice de massa corporal, tabagismo, ingestão de cálcio, entre outros fatores, os cientistas descobriram que aquelas mulheres que apresentaram menopausa antes dos 48 anos (considerada precoce pelos autores) tiveram um aumento de 80% no risco de osteoporose, um aumento de 68% no risco de terem uma fratura óssea e, em função disso, um aumento de 59% no risco de morte naquele período.

As conclusões do estudo são claras: as alterações hormonais da menopausa, que causaram a redução da densidade mineral óssea e aumento da incidência de fraturas, levaram a um maior risco de morte. Entretanto, os autores alertam que outras doenças secundárias (chamadas comorbidades), comuns aos 77 anos, podem ter colaborado com esse risco aumentado.